Pular para o conteúdo principal

António Maria Infante da Câmara Mascarenhas, novo Marquês de Fronteira



Após a triste notícia da morte de Dom Fernando José Fernandes Costa Mascarenhas, XII Marquês de Fronteira, XIII Conde de Assumar, XIII Conde de Alorna, XII Conde de Cuculim, IX Marquês de Alorna, seu primo-sobrinho, Dom António Maria Infante da Câmara Mascarenhas, filho de Dom José  Maria Mascarenhas, primo do XII Marquês, tornou-se o novo Chefe da Casa de Fronteira e Alorna, como  XIII Marquês de Fronteira, XIV Conde de Assumar, XIV Conde de Alorna, XIII Conde de Cuculim, X Marquês de Alorna.

Dom Fernando Mascarenhas


Dom Fernando Mascarenhas, presidente da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, morreu esta quarta-feira em Lisboa, aos 69 anos. A sua oposição ao regime do Estado Novo e, depois do 25 de Abril, o modo como colocou o patrimônio familiar ao serviço da cultura e das artes, tornavam o marquês de Fronteira e conde da Torre, para citar apenas dois dos muitos títulos nobiliárquicos que representava, uma figura singular nos meios da alta aristocracia portuguesa.

Em 1989, instituiu a Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, usando o seu palácio seiscentista em Lisboa, mas também a sua vasta propriedade de Ponte de Sor – que integrou o antigo condado da Torre – para iniciativas culturais, científicas e educativas.

Culto, sofisticado e com reconhecido sentido de humor, considerava-se um homem de esquerda, mas sempre levou a sério a sua condição de herdeiro de uma boa dezena de títulos de nobreza, e fez questão de escrever um Sermão ao meu Sucessor – Notas para uma Ética da Sobrevivência, destinado – uma vez que não teve filhos de nenhum dos seus dois casamentos – a António Mascarenhas, filho do seu primo José Maria Mascarenhas.

Antes do 25 de Abril de 1974 chegou a ser alcunhado de "marquês vermelho" pela sua oposição ao fascismo, embora ele próprio diga numa entrevista que nunca foi de um vermelho muito vivo. Mas promoveu reuniões clandestinas e conspirativas desde o final dos anos 60 no seu palácio de Benfica.

Uma delas, destinada a preparar a estratégia da oposição democrática nas eleições de 1969, foi mesmo interrompida pela polícia. Fernando Mascarenhas, numa entrevista a Cândida Santos Silva publicada no Expresso, conta que estavam presentes Jorge Sampaio, Vítor Neto, Vítor Wengorovius, Maria Barroso e António Reis, entre outros.

A sua atividade política nesses últimos anos antes do 25 de Abril era suficientemente notória para chegar a França, onde o L’Express brincava com o estatuto aristocrático do opositor e assinalava o nascimento de uma corrente ideológica, o “marquesismo-leninismo”.

Ir à PIDE de Cadillac

A sua oposição ao regime, que o levou mesmo a ser chamado um par de vezes à sede da PIDE (polícia política portuguesa) – gostava de contar que chegou ao edifício da Rua António Maria Cardoso num Cadillac guiado por motorista –, não o impediu, enquanto grande latifundiário que também era, de sofrer alguns dissabores após o 25 de Abril. Viveu algum tempo fora do país, primeiro em Marrocos e depois em Londres, e chegou a pensar que o exílio poderia ser permanente.

Quando regressou, e como os rendimentos familiares vinham sobretudo da herdade alentejana, que fora nacionalizada após o 25 de Abril, viu-se na contingência de ter de trabalhar. Licenciado em Filosofia, deu aulas durante alguns anos na Universidade de Évora.

Quer as suas inclinações políticas, quer os seus interesses culturais, dever-se-ão pouco ao pai, um homem que competia em corridas de automóveis e pegava touros de caras, e que se divorciou da mãe de Fernando Mascarenhas quando este tinha dois anos. E quando morreu, o filho tinha apenas onze anos. A figura que verdadeiramente o marcou nesses anos de formação, disse ao PÚBLICO o historiador e olissipógrafo José Sarmento de Matos, “foi o seu padrasto, o arquiteto Frederico George, que era uma figura fantástica, de grande categoria, e um homem muito ligado aos meios da oposição”.

O historiador, que conheceu Fernando Mascarenhas aos quatro anos e foi seu condiscípulo no colégio, realça a sua “grande cultura” e “sentido de responsabilidade”, e diz que o amigo “é uma dessas pessoas que vai mesmo fazer falta”. Sarmento de Matos recomenda que se divulgue a carta/sermão que dirigiu ao seu sucessor, um texto “muito bonito” e que crê resumir bem o modo como o marquês de Fronteira achava que devia lidar com o seu estatuto e patrimônio.

“O verdadeiro aristocrata tem consciência de que tem uma história atrás de si e é essa própria consciência da história que tem atrás de si que o faz ter uma consciência igualmente clara de que também tem uma história à sua frente”, escreve Fernando Mascarenhas no seu Sermão, no qual deixa ainda este conselho ao seu herdeiro: “Sê primeiro um homem e, depois, só depois, mas logo depois, um aristocrata”.

Jogos e jóias

Em conseqüência do divórcio dos pais, Fernando Mascarenhas viveu boa parte da sua infância com os seus avós maternos, que tinham casa na Rua da Emenda, em Lisboa, e só ia ao palácio de Fronteira visitar o pai ou festejar os seus anos. É após a morte do pai que se muda com a mãe para o palácio de Benfica. “Não é um amor de juventude: as minhas relações emocionais são mais com a casa da herdade [de Ponte de Sor] do que com esta casa de Benfica”, contará ao PÚBLICO em 2011.

É já em adulto que começa a interessar-se verdadeiramente pelo palácio, acabando por se tornar um especialista na história da casa e respectivo patrimônio.

Num sintético auto-retrato que traçou apara acompanhar uma entrevista que lhe foi feita por Paula Moura Pinheiro, Fernando Mascarenhas diz que é “cristão por educação e agnóstico por ignorância”, que o seu defeito mais tolerável é “a preguiça” e que o seu passatempo é jogar Civilization, um célebre jogo de computador criado por Sid Meyer. E enumera algumas preferências estéticas, como o David, de Miguel Ângelo, na escultura, ou o romance Guerra e Paz, de Tolstoi, na literatura. Mas também os livros de Mário de Carvalho e, na poesia portuguesa, Camões, Fernando Pessoa ou Luís Filipe Castro Mendes.

Apreciador do convívio e da conversa, o país pôde conhecê-lo efemeramente nessa condição de anfitrião de tertúlias culturais através do programa televisivo Travessa do Cotovelo, que durante algum tempo moderou na RTP.

Nos últimos anos, vinha-se dedicando à manufatura de jóias, um hobby que acabou por levar bastante a sério, tendo mesmo chegado a organizar algumas exposições das suas obras no palácio de Fronteira.

O secretário de Estado da Cultura lamentou já a morte de Fernando Mascarenhas, realçando a sua contribuição, “antes e depois do 25 de Abril de 1974, para o fortalecimento da liberdade de expressão e para a consolidação da cidadania”. Jorge Barreto Xavier sublinha ainda a sua “acção ímpar em prol das artes, da filosofia e da literatura”.

Segundo informações da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna à Lusa, que não adiantam a causa da morte, o velório de Fernando de Mascarenhas realiza-se esta quarta-feira no palácio de Fronteira e o seu funeral terá lugar na quinta-feira à tarde. Após a celebração de uma missa de corpo presente, o funeral seguirá às 16h30 para o Crematório do Cemitério dos Olivais.

António Mascarenhas é o sucessor do marquês de Fronteira e o provável 14ª marquês. Ainda não tem 30 anos e dedica-se à agricultura

Dom António Mascarenhas, XIII Marquês de Fronteira

Dom António Maria Infante da Câmara Mascarenhas, atualmente por cortesia, 13º conde de Coculim, vai carregar anos de história. O novo responsável pela Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, o próximo marquês de Fronteira, tem apenas 29 anos e, apesar de não ser o descendente direto de Fernando José Fernandes Costa Mascarenhas, que morreu anteontem, foi o escolhido pelo seu antecessor. Ao mesmo tempo, tem a seu cargo um legado histórico de três casas da antiga nobreza portuguesa: Fronteira, Alorna e Távora.

Em linha direta, o pai de António, Dom José Maria Pinto Basto Mascarenhas, seria o sucessor natural, mas em 1994, o marquês de Fronteira, também conhecido por "marquês vermelho", publicou o "Sermão ao meu Sucessor - Notas para uma Ética da Sobrevivência", onde designou como seu sucessor seu primo Dom António. Já nesse livro, Dom Fernando Mascarenhas apontava um caminho a seguir num futuro próximo: "Sê primeiro um homem e, depois, só depois, mas logo depois, um aristocrata."

"Fundação bem entregue" António Mascarenhas passa a maior parte do tempo em Ponte de Sôr. Gere a Herdade da Torre das Vargens, juntamente com o seu pai, José, mas além desta atividade a sua vida tem sido discreta.

Para o duque de Bragança, D. Duarte, "a fundação está bem entregue. O herdeiro do trono garante que "António Mascarenhas está muito bem preparado para o cargo. No que diz respeito às questões financeiras, não tenho dúvidas e, relativamente à cultura, terá um gosto e uma formação diferentes". Dom Duarte Pio gostaria de ver a nova administração da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna "ter uma atenção mais especial para com os países africanos de língua portuguesa". Alguns conhecidos descrevem ainda Dom António como alguém bem disposto, simpático, acessível.

Ontem, antes do funeral do XII Marquês da Fronteira, durante a missa no Palácio Fronteira, junto ao Monsanto, em Lisboa, Dom António Mascarenhas ainda falou aos amigos e família para lhes dizer que ultimamente esteve mais próximo do marquês e, por isso, conversou com ele inúmeras vezes. "Um homem de conversa fácil", concluiu.

800 anos Apesar de haver uma referência no reinado de D. Sancho I em 1200 sobre um senhorio de Mascarenhas, concedido por este rei, só entre os séculos XIII e XIV nasceu Lourenço Pires de Távora (o velho), o primeiro documentado a usar o nome Távora. Mais tarde, as casas de Fronteira e Alorna juntavam-se a este nome - até hoje o "marquês vermelho" era o representante das Casas de Fronteira, Alorna e Távora. Os membros da família usam títulos nobiliárquicos de marqueses e condes da Torre, de Fronteira, de Coculim, de Assumar, de Alorna.

Fonte oficial da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna referiu que todos os assuntos relativos à instituição terão desenvolvimentos em breve.

Comentários

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q