Pular para o conteúdo principal

Um grande dia para a sociedade paulistana: a Investidura dos Cavaleiros e Damas da Sacra Milícia e da Ordem Militar de São Teodoro

Por ALINE SÁ, Redatora-Chefe da Revista MUNDO DA NOBREZA

No último dia 15 de agosto ocorreu na cidade de São Paulo, mais precisamente no Santuário do Sagrado Coração de Jesus dos Campos Elíseos um grande evento: a Investidura dos novos Cavaleiros e Damas das Ordens Dinásticas da Casa Principesca de Mesolcina. No ar, além da solenidade para o grande evento, havia algo há mais: havia uma certa tensão entre os presentes, pois era a primeira vez que Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Don Andre III Trivulzio-Galli, 14º Príncipe de Mesolcina, Príncipe do Sacro Império Romano-Germânico, 16º Conde-Duque de Alvito, 18º Duque de Venosa (entre mais de 150 títulos) faria uma apresentação pública depois de quatro anos sem ser visto em nenhuma das tantas Cerimônias Públicas de suas Ordens de Cavalaria.

Quatro anos! Fiquei ali, sentada em um dos últimos bancos da igreja, pensando, qual grande deve ser a lealdade desses tantos Cavaleiros para com seu Príncipe, ao ponto de manterem suas ordens e regras mesmo sem o ver por longos quatro anos (haja vista que a última aparição pública do 14º Príncipe de Mesolcina foi em 18 de janeiro de 2015, em uma Cerimônia de Investidura de Cavaleiros de suas Ordens Dinásticas, porém realizada na prestigiosa - e bem cara - Paróquia Nossa Senhora do Brasil, nos Jardins), pensei eu, lá sentada, quantos casamentos teriam sido desfeitos em muito menos tempo, quantos namoros acabados e quantos noivados desmanchados em meses de afastamento, e aí estavam esses valentes Cavaleiros, mesmo com mais de quatro (quase cinco) anos sem verem seu Grão-Mestre!

Para mim, falando agora pessoalmente, tive uma das maiores alegrias dos últimos meses, quando pude rever, de relance, que o Príncipe Don Andre entrava no Santuário, todos já estavam lá, a maioria com seus mantos e fardamentos, mas o Príncipe chegou vestindo terno preto (creio que o último a chegar na igreja), diz uma "lenda urbana" que Sua Alteza estava até aquela hora em um barbeiro, ali mesmo nos Campos Elíseos (essa informação obtive de um dos Padres que é Cavaleiro-Capelão da Sacra Milícia); e que após estar no barbeiro, foi sozinho E A PÉ (provavelmente a primeira vez na vida que esse príncipe tenha andado uma quadra sozinho na cidade de São Paulo), e ainda por cima o fez nos Campos Elíseos!





Para quem não sabe, o Bairro dos Campos Elíseos já foi o bairro mais Nobre de São Paulo (título hoje ocupado pelo Jardim Europa), com seus palacetes e mansões, porém hoje é nesse bairro que encontra-se a medonha "cracolândia" que todos os dias vemos na TV... Porém nessa tardinha e noite, quase que por "milagre" a cracolândia não estava lá... podia-se andar com os vidros do carro abertos... podia-se mesmo, como fez o Príncipe, andar a pé. Esse "milagre", como soube depois, foi realizado pela Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e pela Polícia Militar, ambas instituições com numerosos Cavaleiros a serem investidos naquela noite... 

Mas antes de narrar mais sobre a Cerimônia em si, gostaria de falar o motivo de minha alegria em rever esse príncipe que por muitos é definido como "ítalo-suíço-alemão" (italiano de sangue, se sabe que seus 16 bisavós são italianos de sangue puro, o que explica o seu carisma e mesmo amabilidade... suíço pois o antigo Principado de Mesolcina hoje faz parte da Suíça, e por isso o Príncipe leva a pontualidade muito à sério; e alemão por vassalagem ao antigo Sacro Império Romano-Germânico, e explica o seu gênio bastante enérgico) porém quando questionado sobre isso, o Príncipe sempre se define como "um italiano que teve a sorte de nascer no Brasil" (e o que explica seus dois passaportes...).

Conheci Sua Alteza Sereníssima na Sede da Pró Monarquia, no Bairro do Morumbi, quando ele era apenas o Marquês de Maleo, título que cabe ao herdeiro do Príncipe de Mesocco, que é o herdeiro do Chefe da Sereníssima Casa Principesca de Trivulzio-Galli de Mesolcina, que leva o título de Príncipe de Mesolcina (e os outros mais de 150 títulos da Casa Principesca). Naquele tempo o Príncipe de Mesolcina era seu avô, Don Verginio I Trivulzio-Galli, 12º Príncipe de Mesolcina, e o Príncipe de Mesocco era seu pai, o Príncipe Don Angelo. Eu era apenas uma estagiária de jornalismo da PUC que tinha como projeto de faculdade fazer um protótipo de uma revista digital que teria de abordar um "tema novo" para o público brasileiro: assim nasceu a Revista Mundo da Nobreza. 



O ano era 2012, e eu sabia que aquele jovem de 22 anos (dois anos mais velho que eu) que levava o título de Marquês de Maleo era também um Prinz von Misox (título em alemão para os príncipes de Mesolcina que não sejam o Chefe da Casa, que é chamado de "Fürst von Misox") e era um Príncipe do Sacro Império Romano-Germânico (o que explicava o seu tratamento de Alteza Sereníssima). O jovem príncipe estava ali para um encontro com Dom Bertrand de Orleans e Bragança, e foi-me dito que seria uma boa oportunidade para começar meu projeto de faculdade cobrindo aquela intrevista.

A conversa entre os Príncipes, que estava programada para durar de 20 a 30 minutos, passou de 3 horas... ambos conversavam com grande animação e entusiasmo. Em um determinado momento, quando o Príncipe Imperial do Brasil levantou-se para procurar o empregado, e pedir para trazer mais café, o jovem Príncipe, vendo meu embaraço e que estava totalmente perdida, me chamou para sentar ao lado dele e me disse "não se preocupe, estás indo muito bem, o MUNDO DA NOBREZA é assim mesmo, com longas e animadas conversas, e com tristes jantares...", sorriu para mim e piscou o olho direito (mal sabia ele que ele estava ali, naquele momento batizando o meu projeto de faculdade, e dando o incentivo que eu precisava para permanecer ali, no cantinho daquela sala, aprendendo sobre um dos assuntos que até hoje me fascina).



Explicado como conheci o Príncipe Don Andre, devo agora ressaltar como a vida mudou rapidamente para ele. Durante aquela mesma visita em São Paulo seu avô, Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Don Verginio I Trivulzio-Galli, 12º Príncipe de Mesolcina morreu, e seu pai imediatamente tornou-se o Chefe da Casa de Mesolcina com o título principesco correspondente, e ele agora era o Príncipe de Mesocco.

Porém seu pai, que foi Chefe da Casa Principesca com o título de Don Angelo II Trivulzio-Galli, 13º Príncipe de Mesolcina já era um tanto idoso, e não acostumou-se aos deveres como Grão-Mestre das Ordens Dinásticas, e um ano depois, em 2013, abdicou de seu posto de Príncipe Titular de Mesolcina e Chefe da Casa Principesca: agora, aquele jovem Príncipe de apenas 23 anos era Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Don Andre III Trivulzio-Galli, 14º Príncipe de Mesolcina e Chefe da família mais nobre de Milão e uma das principais Casas Principescas do Sacro Império Romano-Germânico (cujo título principesco foi concedido em 1622 pelo Sacro Imperador Fernando II na chamada "Bula de Ratisbona"). 

Agora, depois de tantos anos sem ver o Príncipe Don Andre, vejo entrar na igreja um jovem alto (quase 2 metros de altura) magro mas "espadaúdo", com uma barba perfeitamente alinhada e o cabelo impecável, ambos de um loiro escuro, em contraste perfeito com a pele muito alva do Príncipe. Ele passou por mim sem me ver, mas não perdi a oportunidade, e segui atrás dele. Ele passou pelo altar da igreja e foi para a sacristia, mas lá não pude entrar... quem guardava a porta disse que era o momento do Príncipe conversar com Dom Vilson Dias de Oliveira, Bispo Emérito de Limeira, que presidiria a cerimônia.
 



Fiquei aguardando no corredor. Meia hora depois saiu de lá um cortejo, que dirigiu-se a uma cripta abaixo do altar do Santuário. Nesse cortejo vi, além de uma série de padres e o Bispo já paramentado, o Príncipe Andre, já vestido com o fardão azul como Grão-Mestre da Ordem Militar de Santa Maria (Sacra Milícia). Tentei acompanhar o cortejo, mas novamente fui impedida de entrar na cripta. Soube depois por uma amável Condessa de sobrenome polonês que naquele momento o Príncipe Don Andre iria ser Sagrado e Ungido como Grão-Mestre da Ordem de Sua Alteza o Príncipe: de São Miguel Arcanjo e do Preciosíssimo Sangue, a mais alta Ordem de Cavalaria da Casa Principesca (e cuja unção o Príncipe Andre decidiu esperar tantos anos para receber), e que na Cerimônia só eram admitidos Padres, além do próprio Bispo e o marido daquela Condessa, que era Cavaleiro daquela Ordem.



Após uns 15 minutos novamente saiu o cortejo. Agora o Príncipe de Mesolcina levava uma faixa vermelho-escuro sobre o peito, símbolo da Ordem de São Miguel Arcanjo e do Preciosíssimo Sangue. Novamente ele não me viu, mas percebi que todos se dirigiam para começar a Santa Missa, e fui então sentar em um dos bancos para poder assistir também. 

Formou-se uma enorme procissão de entrada, com Cavaleiros e candidatos a Cavaleiros da Ordem Militar de São Teodoro, Cavaleiros, Damas e Cavaleiros-Capelães da Sacra Milícia. Bandeiras das Ordens Dinásticas, do antigo Principado de Mesolcina, e um rapaz vestido com uma réplica de armadura medieval levando a bandeira do Vaticano. Tudo lindo. Foi então, durante a procissão, quanto todos se levantaram para o Príncipe entrar, que passando por mim ele me viu e deu um discreto sorriso e piscou o olho, como quem dissesse "sei quem é você, me lembro de ti". Nesse momento quase fui às lágrimas, aquele lindo príncipe que me auxiliou a definir minha carreira, agora estava mais lindo do que nunca, e lembrava de mim!



Quando começou a Missa foi tudo perfeito, coral com canto gregoriano, orações e bênçãos em latim, e um Cavaleiro que cantou um canto lindo! Pude depois procurar na internet e ver que alguém havia filmado o ato, e o próprio canal das Ordens Dinásticas havia colocado a filmagem lá (que coloco aqui embaixo)



Quando começou esse canto todos se levantaram, e o Príncipe, que estava sentado no presbitério, o bispo e todos os padres se voltaram para o Altar-Mór, como que deixando claro que aquele canto sagrado era para Deus, não para os homens. 

Depois iniciaram-se as investiduras. Vários e vários Cavaleiros ajoelhados, um a um, diante de seu Grão-Mestre, proferindo juramentos que vinham do tempo das Bulas Papais. E nesse momento pode-se ver como um Príncipe de verdade sabe dar a cada um o que é seu: os Cavaleiros lhe beijavam a mão após a investidura. Os Padres também lhe beijavam a mão, porém o Príncipe lhes abraçava, em sinal de fraternidade, enquanto às Damas investidas, a essas era o Príncipe quem lhes beijava a mão... em tudo um perfeito Cavalheiro!



A Missa durou horas, mas foi tão linda que nem vi o tempo passar... começou às 19 horas, e terminou quase às 23... porém com tanta beleza (parecia que estávamos vendo o céu na terra com aquela Missa) ninguém reclamou do tempo, todos estavam felizes pela beleza da Cerimônia. 

Quando por fim tudo terminou, me adiantei para ir até o Príncipe, para tentar lhe abraçar e dizer o quanto ele marcou a minha vida, mas eram tantos e tantos Cavaleiros e Damas fazendo fotos com ele, e uma multidão de pessoas para fazerem fotos, que quando consegui chegar ao altar, Sua Alteza já havia saído pela mesma "porta secreta" da sacristia.



Não pude falar com o 14º Príncipe de Mesolcina, mas sai do Santuário do Sagrado Coração de Jesus feliz por tudo o que havia visto... andei algumas quadras a pé pelos Campos Elíseos, com o "milagre" de naquela noite, a cracolândia não estar lá... e pensei comigo: se esse príncipe consegue fazer essa "mágica" no Brasil, imagina o que não faria, caso os Vales de Mesolcina tivessem a independência da Suíça, e o Principado fosse restaurado?

PS.: caso alguém queira conhecer mais sobre as Ordens de Cavalaria da Sereníssima Casa Principesca de Mesolcina, da qual eu falo tanto nessa reportagem, recomendo o site das Ordens em língua portuguesa: https://www.ordini.mesolcina.com/

Também caso queiram acompanhar os vídeos das Ordens Dinásticas, recomendo que se inscrevam no canal oficial, que foi lançado há apenas duas semanas (literalmente um "canal-bebê"!): https://www.youtube.com/channel/UCJNKpGLTc8oxKc9UrCSk73w 

Sobre a autora:
ALINE SÁ: Redatora-Chefe da Revista Mundo da Nobreza.
Para contato: contato@m-mundo.com

Comentários

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q