Pular para o conteúdo principal

O "rei" sem teto: o drama de Jean d'Orléans, expulso de Dreux


 O Príncipe Jean d'Orléans é, para os orleanistas, Sua Alteza Real o Conde de Paris, que o consideram como Chefe da Casa Real da França; já para os Legitimistas, que consideram o Chefe da Casa Real da França Sua Alteza Real o Príncipe Loius de Bourbon, Duque de Anjou, Jean d'Orléans é chamado de Sua Alteza Sereníssima o Duque de Orléans, Príncipe de Sangue da França.

Mas, independente de como você prefere o chamar, o fato é que este Príncipe de Sangue de França vive um drama: expulso pela Fundação Saint-Louis dos "Domínios de Dreux", onde morava com sua esposa e filhos.

O Duque de Orléans "conde de Paris" leva algumas malas no carro. Ele sai para a estrada com a princesa Philomena e seus filhos. Seguiram para o sul. Gastão (seu filho mais velho) e os seus irmãos deixam para trás às galinhas, os últimos tomates que amadurecem na horta, as grandes árvores do parque da Capela Real que abrigavam as brincadeiras suas brincadeiras infantis. A família Orleans coloca Dreux de lado. Jean de Orléans tem o coração pesado, mas a alma determinada.

 Fato é que a Fundação Saint-Louis é a proprietária dos "Domínios de Dreux", que antes haviam sido propriedade do avô do atual Chefe da Casa de Orléans, e este, prevendo que seus herdeiros venderiam seus bens, decidiu criar uma fundação, com o intuito de salvaguardar o pouco do patrimônio que restava a família Orléans. 

 Todavia, desgastes e pequenos desentendimentos diários entre a Fundação Saint-Louis e o Duque de Orléans e sua família, fez com que estes tivessem de abandonar Dreux.

"Esta não é um exílio ou uma fuga. Estou apenas colocando minha família fora daqui, enquanto a situação é resolvida" 

Jean, Duque de Orléans

 

Fundada pelo avô do atual "conde de Paris", justamente "para preservar o patrimônio da família Orléans", administra o domínio de Dreux, mas também o de Amboise (Indre-et-Loire). Ela é proprietária da capela e da casa de Philidor, mas a Duquesa de Montpensier e seus filhos, incluindo o Príncipe Jean, têm o direito de usar a casa.

Uma situação deletéria desde o retorno do Príncipe Jean e sua família à propriedade de Orléans que a fundação Saint-Louis não aprecia.

As relações entre o Príncipe Jean e alguns dos representantes da Fundação sempre foram tensas. Com a morte de seu pai em janeiro de 2019, o príncipe Jean, que se tornou o novo Chefe da Família Orléans, também se tornou presidente honorário da Fundação. Na época, ele esperava que as relações se acalmassem. Mas a situação continua piorando e a crise do coronavírus só piorou as coisas.

 

“Aproveitaram este período para estabelecer um regulamento de quatro páginas a pretexto da segurança sanitária. Este documento, que não reconheço nenhum valor jurídico, é, de fato, apenas um conjunto de medidas dirigidas a nós”.

 Jean, Duque de Orléans

O “conde de Paris” dá um exemplo: “Uma das medidas obriga-nos a não entrar mais no domínio pela porta principal, mas a fazê-lo pela passarela onde se pretende instalar um portão eléctrico: uma despesa desnecessária, absurda e perigosa, já que a passarela que domina as moradias não é feita para suportar carros. "

O Duque de Orléans não se sente mais livre, “observado por alguns funcionários, espionados por câmeras de circuito interno de TV". E, mais ainda, machucado pelo destino de sua esposa e filhos.

 

“Eles sofrem comentários depreciativos e vexames quase que diariamente. Um dia é um comentário sobre o cachorro, no dia seguinte é uma das galinhas que foi esmagada, depois é a horta que se torna inacessível... "

  Jean, Duque de Orléans


Ele acredita que as “quatro pessoas que têm participação na diretoria da Fundação não gostam de quem nós somos. Não gostam da naturalidade e da liberdade das crianças, não gostam que sejamos. Uma família. Quanto mais energia você desdobra para consertar as coisas, mais ela se deteriora. É o fenômeno do buraco negro que absorve sua energia para destruí-lo melhor".

 

A tão apreciada vida entre a natureza, plantando legumes, tendo galinhas e uma vida que possa permitir que as crianças cresçam mexendo com a terra, sempre foi uma forma de vida predileta para muitas famílias da Nobreza e da Realeza, como os Orléans-Bragança, que depois de voltarem para o Brasil foram morar em um sítio no Paraná, onde o então Chefe da Casa Imperial do Brasil trabalhou como agricultor por muitos anos. Porém isso agora tornou-se "impossível" ao Chefe da Família Orléans.


Fato é que agora o Duque de Orléans, ou "conde de Paris", como preferir chamá-lo, pretendente orleanista a ser o "Rei dos Franceses", cuja situação econômica sempre foi muito difícil, agora está "sem um teto para chamar de seu" e abrigar seus familiares... 


Comentários

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q