Pular para o conteúdo principal

COLUNA DE TERÇA: Chefes Heráldicos


Chefes Heráldicos.

A Revista Mundo da Nobreza tem nos proporcionado momentos interessantes na leitura de alguns temas heráldicos. Seguimos, hoje, noutra particular peça heráldica. No texto passado pudemos ler a respeito dos Aumentos de Honras, suas características, concessões e etc. No texto de hoje trataremos sobre os Chefes Heráldicos.


Conceitualmente falando, o Chefe é uma peça de honra. Ele ocupa o tercio superior do escudo e é lineada horizontalmente. Podemos dizer que equivaleria, num conjunto completo, ao elmo do cavaleiro. O Chefe do Escudo costuma sempre remeter a pertença do armigerante¹ há alguma Ordem Cavalheiresca ou a algum "movimento partidário" político em que se desenvolveu determinado contexto histórico.


Muitas Ordens de Cavalaria, aqui destacamos as Ordens Religiosas, tinham como representação de si própria nos escudos essas peças que chamamos de Chefe. Podemos destacar aqui a Ordem Soberana e Militar de Malta, com seu chefe de goles(vermelho) carregado com uma cruz latina de prata(branca). O Chefe da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, campo de prata carregado com uma cruz latina de sinopla. A Ordem Militar de Santa Maria, conhecida como Ordo dei Frati Gaudenti, tem seu chefe descrito um pouco diferente desses acima. Ele é descrito como: chefe de prata, carregado de uma Cruz latina de goles, acompanhada nos flancos superiores por duas estrelas de oito pontas do mesmo, da Religião da OMSM. Nesse já podemos ver que ele é descrito de forma diferente, temos o acréscimo das estrelas. Essas posições são importantes para que sejam identificadas as armas e as Ordens as quais os cavaleiros, que tenham recebido a concessão d'armas, pertençam.




O Chefe, como já dissemos, é uma peça honrosa. Cada Soberano ou Grão-Mestre, no decorrer da história, junto de seus Reis-de-Armas foram regulando sua concessão e uso. Vejamos, por exemplo, o caso da Ordem de Malta. Somente os Bailio-Cavaleiros de Grã-Cruz tem direito de portar o Chefe Heráldico em suas armas. Os demais que não cumprem esse requisito não podem usá-lo. Culturalmente, nas Espanhas, é permitido que os Cavaleiros usem os Chefes das Ordens, claro que aqui a exceção são as Ordens cujas regras de uso dos Chefes permitam essa utilização. Aqui vemos os usos do Chefe como meio de pertença-participação à uma família religiosa.


Heraldicamente o Chefe representa pertença, num sentido mais amplo... um partido, assim, podemos ver claramente na famosa Guerra dos Guelfos e Gibelinos. Creio que nunca a heráldica teve tanto valor físico-representativo como, de fato, na situação da Guerra Papa-Sacro Imperador. Os Chefes não são novidades heráldicas. Quem nunca viu um brasão com os Chefes e sempre pensou: “Que curioso... Já vi alguns brasões assim, o que isso viria a significar?”. Temos a resposta.


Creio que nenhuma outra nação viveu algo tão próprio onde a heráldica fizesse essa diferença como a Península Itálica. Bastiões com bandeiras hasteadas, flamulas identificando armas e ao olhar... Interessante, simplesmente ao olhar, você identificar se o território é ou não amigo.


Guelfos eram os apoiantes do Poderio Papal. Gibelinos eram os apoiadores da supremacia Imperial. Isso dentro do contexto de domínios italianos. A história da guerra eu deixarei como homework. Mas, exponho aqui os brasões originais e como ficaram os chefes desse momento histórico.








Essa situação foi tão forte na Peninsula Itálica que membros da mesma família estavam de lados opostos. Veja o brasão de dois ramos da família Accarisi. Parte da família estava com o Sacro imperador e parte com o Papa.






O Chefe do Império sofreu modificação. Num primeiro momento o chefe do Império era uma águia de uma única cabeça, chamado de Capo dell’Impero Antico. Depois, quando a águia passou a ser bicéfala, esse, passou a ser conhecido somente como Capo dell’Impero. 




Para os interessados no assunto, fica mais uma pesquisa! 


Paulo R S Fernandes
Conde de Colle d’Agnese, Barão de Plattera.
(para falar com o colunista, escrever para condepaulo@m-mundo.com) 

Comentários

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q