Pular para o conteúdo principal

COLUNA DE TERÇA: Ciência Heráldica: Escola dos Estados do Sacro Império Romano Germânico.


O Sacro Império Romano Germânico não foi, somente, exemplar em sua história, mas em sua heráldica também. A união desses Países da Europa-Central (Itália, Alemanha, Áustria, Suíça e etc) mostrou ao mundo seu jeito de eternizar à forma de fazer brasões.

Há alguns anos, S.A.S o Fürst Andre III Trivulzio-Galli postulava sobre as Escolas Heráldicas. É sabido que a arte de blasonar é universal, abrange a todos os espaços em sua forma e gênero, mas é claro para os estudantes desta ciência que ela se desenvolve de forma natural e única em cada local onde ela foi introduzida. Para começarmos essa particularidade universal trataremos de alguns detalhes dessa vastíssima tradição que o S.R.I¹ nos deixou.

Uma coisa precisamos ter claro: numa composição parassematógrafa o escudo é peça importantíssima. Poderíamos, de alguma forma, dizer que as armas são, em si, o escudo. Desta forma, algumas peças são – no geral – não tão necessárias. É impactante ver como alguns escudos de famílias dessa região centro-europeia, por exemplo, tem escudos pleníssimos de várias partições ao mesmo tempo que algumas outras famílias tem armas simples. Faço aqui uma pequena amostra de dois escudos conhecidos:

Brasão de Armas da Casa Principesca de Mesolcina

Brasão de Armas da Casa de Hohenzollern


                Veja como é curioso, ao colocar o escudo já identificamos a qual dinastia eles pertencem. Além da memória fotográfica, que é mais natural, pelo costume de uso sabemos a quem são seus donos. Analisando os escudos como são, eles em nada diferem de demais brasões que podemos ver por aí. Colocarei os mesmos escudos com uma particularidade interessante da heráldica germânica. As duas Casas fazem parte da tradição do Sacro Império, mas no visual e na mesma escola subsistem suas minúcias. 

Elmo "normal"


                Aqui vemos a diferença dos elmos, essa é uma das várias possíveis. Creio que, além do múltiplo particionado do escudo, a quantia de elmos seja um outro diferencial da heráldica Imperial. Seus metais, suas posições, a quantidade. Nesta escola não é possível um elmo sem seu respectivo timbre. Pode não haver outras peças heráldicas, mas se há elmo consequentemente há seu timbre. As coroas² e coronéis³ podem vir diretamente por sobre o elmo, como é na heráldica ibérica, ou pode não vir diretamente sobre o elmo. O elmo pode não ser coroado. Há um coronel chamado helmkrone, poderíamos traduzir diretamente por coroa do elmo, essa não há uma especificidade de título Nobiliárquico. Ela representa a nobreza. É natural que haja nos brasões do S.R.I dois coronéis. Um por sobre o escudo e outro por sobre o elmo. 

Elmo de ouro, para Príncipes

                A coroa por sobre o escudo dá a titularidade ao portador e a do elmo é a que denominamos helmkrone. Diferente de outras escolas heráldicas não se duplicaria a coroa, me explico: não colocaríamos uma coroa condal sobre o escudo e a mesma sobre os elmos. Há escolas onde isso acontece, mas não é o nosso caso.

Elmo com a Helmlrone

                A Imperadora Maria Theresia tentou implantar em seu reinado algumas mudanças na norma de uso dos elmos. Nela, a Imperadora dispunha quantia, posições, metais. Ela foi categórica: elmos de ouro somente para Reis e Soberanos. As demais categorias da Nobreza se dividiam entre prata e prata com adornos em ouro. A regulamentação não foi bem compreendida haja vista que antes dela, por exemplo, Casas Condais já atendiam o uso de 7 elmos. Pela nova regulamentação os Condes poderiam apenas levar 4 elmos.

Aqui, vemos também uma outra diferença, por exemplo, da heráldica ibérica. Nela temos um único elmo, esse elmo reflete a nobreza do armigerando. Se de prata, prata com ornamento em ouro. Com grandes, sem grade, perfilado ou em majestade.  Na heráldica Imperial, para além da posição, quantia e material do que era fabricado, os elmos têm uma fundamentação mais profunda. Ligações feudais, por exemplo. 

                A Casa Principesca de Trivulzio-Galli della Mesolcina é um perfeito exemplo, nos tempos atuais, de seguimento dessa escola heráldica. Das muitas Casas Soberanas do Sacro Império que existem ainda hoje, nossa Casa Principesca é uma das impulsionadoras dessa cultura. Algumas Casas já adaptaram mais uma vez a sua heráldica e nós a cultivamos a mesma heráldica em tempos atuais. Há uma criteriosa avaliação para concessão dos brasões dos Nobres que pertencem à Casa Principesca, assim como há uma profunda reflexão sobre o reconhecimento dos brasões de Nobres que solicitam o reconhecimento do título e confirmação das armas. 

                A Casa de Mesolcina teve um momento ímpar em sua própria história, um de seus Príncipes foi designado como Principal Rei-de-Armas da Casa, o Conde della Loggia, hoje conhecido por ser o Chefe da Dinastia. Neste tempo em que S.A.S Andre III foi Rei-de-Armas, ele organizou o Tribunal, revisou os Ordenamentos Heráldicos cabíveis aos Membros da Soberana Casa Principesca de Trivulzio-Galli della Mesolcina, organizou o sistema heráldico, melhorou a estrutura heráldica de Suas Ordens de Cavalaria. Para além disso, Sua Alteza Sereníssima lecionou heráldica para muitas pessoas. 

                A heráldica é um assunto vastíssimo e difícil de ser esgotado em linhas, para uma análise mais profunda é necessário, realmente, se debruçar nos estudos. Com essa introdução, desejo a todas boas pesquisas. 

Paulo R S Fernandes
Conde de Colle d’Agnese, Barão de Plattera.
(para falar com o colunista, escrever para condepaulo@m-mundo.com


¹ - S.R.I - Sacro Império Romano-Germânico, ou Sacro Romano Império, na sigla em italiano.
² - Coroas - Coroas correspondentes aos títulos Régios e da Alta Nobreza.
³ - Coronel - Coroas dos títulos da Baixa Nobreza.
 

Comentários

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q