Pular para o conteúdo principal

COLUNA DE TERÇA: O Brasil e suas formas: Heráldica



Hoje iniciamos uma nova Coluna na Revista Mundo da Nobreza, a COLUNA DE TERÇA.

A COLUNA DE TERÇA será de responsabilidade do Conde Paulo Roberto de Sousa Fernandes, que é Rei-de-Armas da Casa Principesca de Mesolcina. Como especialista em heráldica, será tema dessa primeira Coluna justamente a heráldica brasileira.

Naturalmente tudo que acontece é ambientado, com o Brasil não seria diferente. Historicamente o Brasil viria a ser independente em 7 setembro de 1822, as demais instruções normativas da nação, em tudo, era uma cópia completa, inclusive a heráldica, nosso tema principal.



            Como colônia a Terra de Santa Cruz não tinha ares de nobreza, os fidalgos que aqui vinham em tudo dependiam da Capital do Reino que estava além-mar. Com a elevação do Brasil a Reino unido ao Reino de Portugal e Algarve a responsabilidade do Rei-de-Armas de Portugal aumentou consideravelmente. Com a mudança da Família Real Portuguesa para o recém-criado Reino do Brasil, devido as Invasões Napoleônicas, Portugal influenciaria mais proximamente sua, anterior, colônia. Fazendo do luso-brasileiro um ser de gostos múltiplos, desde a política, instituições militares, Nobreza e a heráldica um painel de muitas caras-e-cores.

            Essa primária ‘invasão cultural’ deu uma identidade bem lusa as atividades desenvolvidas aqui, com a presença da Família Real tivemos que nos adaptar à realidade de corte. Gerenciar serviços da Casa de Sua Majestade e, portando, do Estado Português. Sim, a heráldica era para além de um agrado de Sua Majestade Fidelíssima, um Serviço de Estado.

            Depois dessa pequena introdução – muito geral – à realidade histórica que nos passava, para compreendermos a heráldica e o jeito brasiliano de fazê-la, precisamos ter em nossas cabeças alguns aspectos da generalidade heráldica. Faremos algumas poucas distinções agora para que compreendamos as diversas faces da heráldica. S.A.S Don Andre Fürst von Trivulzio-Galli já postulava, anos atrás, sobre as Escolas Heráldicas. A heráldica é universal, porém, ela se amoldou ao modus vivendi das pessoas onde ela se instaurava. A história não tratou bem de identificar a heráldica em seu correr, e é por isso que nem sempre temos compreensão do que é essa matéria. 



Para ilustrar o que dizemos vejamos alguns exemplos das realidades heráldicas distribuídas no mundo ao longo da história: a Escola Heráldica da Centro-Europa, também chamada de Escola Heráldica dos Estados do Sacro Império Romano-Germânico e a Escola Ibérica, incluímos aqui as heráldicas Espanholas e Portuguesa.

Cada Estado Soberano, ao longo do tempo, foi mantendo suas especificidades. No Sacro Império e seus Estados Anexos, cultivaram sua própria escola, com particulares regras, como por exemplo o número múltiplo de elmos. O mesmo ocorreu com os Reinos Peninsulares, com o uso dos esquartelados. Há notícias que as Espanhas, em tempos de Castela e Leão, foi um pioneiro no uso de armas esquarteladas (uso de mais de uma partição no escudo). Cada um manteve e tentou propagar sua própria cultura e heráldica. 

            É importante salientar o quão bem fez à Heráldica essas peculiaridades das partes. O enriquecimento de informações, de história, de caminhos trilhados. O que é a heráldica senão história? Desde o período Joanino até o fim do Segundo Reinado a heráldica em nossas terras tomou para si um pouco de tudo o que parte da Europa experimentou. Do período Joanino até Dom Pedro I vivemos o costume ibérico, uma presença forte da heráldica hispânica e lusitana. Já com Dom Pedro II pudemos ver as nuances da heráldica mais à francesa. Neste interim, também experimentamos um pouco de uma característica da Escola Heráldica do Sacro Império-Romano-Germânico. Particularidades essas que já adianto: nas armas completas, o uso da coroa sobre o escudo e sobre o elmo. Tradicionalmente nós vemos, seja na heráldica ibérica ou francesa, o ‘coronel titular’¹ por sobre o elmo diretamente.



            Temos notícias que o Brasil teve dois Rei-de-Armas. O primeiro fora Possidônio Carneiro da Fonseca Costa(1815-1854), nascido no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro. Este foi o brasileiro que no fim se sua vida deu cabo de todo o arquivo heráldico e de fidalguia do Cartório de Nobreza e Fidalguia do Brasil. Como brasileiro nato, viveu a heráldica da forma mais lusa e plena possível. Como informamos anteriormente, nosso País se abre as demais culturas. Com o falecimento de Possidônio, o Brasil recebe um novo Rei-de-Armas, esse Francês, chamado Luís Aleixo Boulanguer (1798-1874). A partir daí o Império toma novos ares heráldicos, experimenta tendências novas o que faz do Brasil um país heráldico-cultural indefinido. De Luís temos – como esforço pessoal – o trabalho de tentar reconstruir aquilo que Possidônio dera fim: o Arquivo do Cartório de Nobreza e Fidalguia.

            A expressão das tradições, das peculiaridades, do espaço-e-tempo é registrada na heráldica. Por mais particular que seja, ela nunca deixará a universalidade. Suas raízes são, indubitavelmente, mergulhadas e entremeadas de curiosidades. A disposição, nossa, de ver essa história é o que realmente importa. Muitos outros aspectos poder-se-iam ser explorados. Caro leitor, meu intuito não foi mostrar as diminutas diferenças, mas, tentar – de uma forma rápida – caminhar pela história heráldica de nossa Terra.



Paulo R S Fernandes
Conde de Colle d’Agnese, Barão de Plattera.
(para falar com o colunista, escrever para condepaulo@m-mundo.com) 


¹ - Coroa heráldica que demonstra o título do possuidor do brasão.

Comentários

  1. Boa introdução. Aguardo os próximos textos. A meu ver faltou legendas nas imagens, indicando a origem das imagens e aspectos delas que devem ser observados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dalton. As imagens nessa publicação não compõe o corpo do texto, são apenas ilustrativas, para o leitor ter ideia do que é um brasão de armas.

      Excluir

Postar um comentário

Matérias mais lidas da Revista

S.A.S. o Príncipe D. Andrea Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina, surpreende participando em live sobre cachimbos

  Sua Alteza Sereníssima o Príncipe D. Andrea III Gonzaga Trivulzio-Galli, Duque de Mesolcina  (34), Chefe da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, Alvito e Castel Goffredo , sempre  famoso por sua discrição , e por quase sempre apenas aceitar dar entrevistas e declarações por escrito, surpreendeu a muitos participando de uma Live, onde falou de um de seus mais conhecidos gostos. S.A.S. o Príncipe e Duque de Mesolcina , Príncipe do Sacro Império Romano, participou em uma live no YouTube , no Canal "Tabacos Dalberto", onde falou sobre um de seus hobbies: pipar cachimbo . Além de falar sobre etiqueta na hora de pipar, Sua Alteza também respondeu a perguntas das pessoas que o estavam assistindo, algo verdadeiramente inédito se tratando do Príncipe D. Andrea.  Veja o vídeo aqui: Esbanjando simpatia , o Príncipe de 34 anos respondeu as perguntas do seu entrevistador, mas principalmente, das dezenas de pessoas que assistiram a transmissão ao vivo. Respondeu também, de forma inédit

As atividades da Grã-Princesa Maria da Rússia

 Poucas pessoas sabem, mas a Família Imperial Russa não foi totalmente eliminada pelos comunistas, na revolução de 1917 . O Grão-Príncipe Cyril da Rússia conseguiu fugir , juntamente com sua esposa, a Princesa Victória Melita de Saxe-Coburg e Gotha, e o filho recém nascido de ambos, o Grão-Príncipe Vladmimir da Rússia. Com a morte do Imperador Nicolau II da Rússia , o Grão-Príncipe Cyril tornou-se o Chefe da Casa Imperial Russa , e chegou mesmo a ser coroado Imperador da Rússia no exílio, como Cyril I da Rússia , mantendo-se como Imperador Titular até sua morte, em 1938, quando foi seguido por seu filho, o Grão-Príncipe Vladimir da Rússia, que também declarou-se "Imperador e Autocrata de todas as Rússias" no exílio, como Vladimir I da Rússia .  Do casamento de Vladimir I com a Princesa Leonilda Georgievna Bragation-Mukhrani , membro de um ramo cadete, o dos Príncipes de Mukrani, da Casa Real da Geórgia . Desse casamento nasceu uma filha, a Grã-Princesa Maria Vladimirovna da

Príncipe Leka da Albânia leva surra da ex-mulher

  O Príncipe Leka II Zogu , um dos pretendentes ao extinto Trono da Albânia, como descendente do Rei Zog I, levou uma surra da sua ex-mulher, Elia , e do pai desta. O Príncipe Leka e Elia Zaharia separaram-se , e inicialmente comentava-se que o divórcio devia-se a alguma infidelidade de Leka, porém, agora, outros contornos dão-se ao fato: pode ser que o Príncipe Leka Zogu tenha pedido o divórcio para escapar das surras que levava da ex-esposa. O casal tem uma filha, a Princesa Geraldine Zugu . Foi justamente a uma visita do Príncipe Leka a casa de sua ex-esposa, que tem a guarda da filha, que o Chefe da Família Zogu levou uma boa surra de sua ex-mulher, aos gritos de " você é uma fraude ", e investiga-se se o pai de Elia tenha ajudado a agredir o ex genro.  Tudo ficou ainda mais escandaloso , quando o Príncipe Leka filmou a gritaria, e sem o menor pudor, publicou nas redes sociais, veja o vídeo: O Príncipe Leka não é o único pretendente ao extinto Trono da Albânia , uma vez q